Orgulho e Preconceito

“Em vão tenho lutado comigo mesmo, mas nada consegui. Meus sentimentos não podem ser reprimidos; preciso que me permita dizer-lhe que eu a admiro e amo ardentemente”

Séries

O Divaneandoo mostrará algumas de minhas séries prediletas.

Músicas

Saiba minhas preferências musicais aqui no Divaneandoo.

Doramas

Fique por dentro das melhores séries asiáticas aqui no blog. You're Beautiful é e sempre será um dos meus queridinhos!

The King 2 Hearts

Um dos melhores doramas de 2012. Unindo romance, ação, suspense, comédia e drama numa história emocionante envolvendo uma monarquia coreana moderna em busca da unificação das Coréias.

Ojakgyo Brothers

Esse drama me cativou desde os primeiros episódios pela simplicidade da história e pelos inúmeros personagens pra lá de reais e apaixonantes. Confira a resenha aqui no blog.

Filmes de Bollywood

Não perca também as resenhas de filmes indianos aqui no Divaneandoo.

Séries Britânicas

BREVE resenhas de séries britânicas. North and South é uma das melhores e mais queridas! Minha predileta!

Animes

Aqui no blog você encontra resenhas de animes também.

Running Man

Running Man é um dos programas de variedades mais bem sucedidos na Coréia e aqui no blog você encontra resenhas de episódios. Garantia de risadas!

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Just The Way You Are (Filme Filipino)

E eis eu aqui para comentar sobre meu sexto filme filipino, Just The Way You Are, o qual ganhou minha atenção depois de eu ver o trailer e a sinopse lembrar-me muito de um filme americano teen que gosto bastante. Espero que continuem conferindo o post (que será curtinho!) e deixem seus comentários ao final.
 Título: Just The Way You Are
Roteiro: Maan Dimaculangan-Fampulme, Ceres Helga Barrios
Direção: Theodore Boborol
Produção: Malou Santos
Companhia de Produção: ABS-CBN Film Productions, Inc.
Distribuição: Star Cinema
Data de estreia: 17 de junho de 2015
País de Origem: Filipinas
Idioma: Filipino, Inglês

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Série: The Royals

Descobri a série sem querer ao pesquisar sobre um documentário de mesmo nome que aborda o fenômeno da família real britânica. A série trata-se de uma realeza inglesa fictícia e apesar de não ter colocado muita fé no começo, me vi devorando os episódios e não poderia deixar de vir comentar sobre aqui no blog.

- A temática 
Não sei se vocês sabem, mas um dos temas que mais gosto de acompanhar em séries, dramas, filmes, livros e afins, é realeza, principalmente, a britânica. Quando soube da série, fiquei até impressionada por ainda não ter ouvido falar sobre. The Royals é a primeira série do canal americano E! e nos traz uma família real moderna fictícia que em meio a escândalos, segredos, traições e disputa pelo poder, enfrenta a ameaça de uma possível abolição da monarquia. A história é baseada em Hamlet de Shakespeare, e pra ser sincera, li a obra há “séculos”, assim não sou capaz de comentar se a adaptação está sendo fiel nesse sentido ou não. De qualquer forma, a série veio muito bem a calhar pra mim, já que eu estava exatamente em busca de algo do gênero: realeza na era moderna.
Meu maior problema com a série foi me desligar um pouco da atual família real britânica, no sentido, de parar de comparar os personagens da série com os atuais monarcas. Achei a série, principalmente no começo, muito americanizada, vamos dizer assim. Não sei explicar ao certo, porém senti falta de mais classe, mais pompa e mais refinamento. Lógico que por baixo da imagem perfeita que a família real tenta passar, há muitos escândalos e quebras de protocolo, e bem, os tabloides e inúmeras biografias estão aí para provar exatamente isso. Sei que não são perfeitos, mas fiquei um pouco decepcionada com o jeito um tanto quanto “largado” e descompromissado que alguns personagens da série em relação aos seus deveres com a monarquia. Senti falta então de uma maior seriedade no sentido. A série parecia teen demais, cheia de clichês adolescentes que já vimos centenas de vezes em tantos outros seriados americanos. Porém depois de alguns episódios, a trama melhora consideravelmente e alguns temas mais sérios tem espaço.

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Ugly Duckling - Perfect Match (Thai-Drama)

Depois de ver Wanna Be Sup'Tar e me apaixonar pelo tal de Put Puttichai, decidi ver um dos dramas dele que vocês mais me recomendaram e OMG, só fiquei ainda mais gamada na criatura. E não poderia deixar de vir comentar sobre no blog sobre os motivos que me fizeram amar mais um drama do ator: 
Título: Ugly Duckling - Perfect Match
Gênero: Comedia Romântica 
Emissora: GMMTV
Período de Transmissão: 17 de maio à 12 de julho de 2015
Total de Episódios: 9
País de Origem: Tailândia

- Enredo leve
Ugly Duckling - Perfect Match é o primeiro de uma série de dramas (baseada em livro), onde cada um é com elenco diferente e histórias independentes. Perfect Match é sobre Junior/Joo (Worranit Thawonwong), uma moça riquinha um tanto quanto cabeça oca, que depois de um procedimento de beleza, acaba ficando com o rosto repleto de espinhas. Com isso, perde suas amizades e até seu namorado. Não suportando mais a situação, decide ir estudar numa província do interior onde há um médico especialista no tratamento do seu problema de acne. Nesse lugar, começa a frequentar uma faculdade e fazer novas amizades. Ninguém sabe que ela é na verdade uma garota rica, e nesse ínterim, conhece o lindo veterano P'Suea.
A história então é um tanto quanto clichê: garota feia apaixona-se por garoto bonito. Ela é rica, mas ele é pobre. O clima do drama é extremamente leve e bobinho. Não há grandes complicações e reviravoltas; não há melodrama. Os personagens são simples e os acontecimentos previsíveis. O ritmo é gostosinho e quando você menos espera já está terminando o nono e último episódio.

sábado, 16 de abril de 2016

Descendants Of The Sun (K-Drama)

O drama sensação do momento e provavelmente será o mais visto e comentado de 2016. Descendants Of The Sun desde a escolha dos atores, roteirista, pré-produção e divulgação prometia, e particularmente fiquei contando os dias para sua estreia. Temos a volta do querido Joong Ki aos dramas e a prestigiada Song Hye Kyo que só faz drama digno. Pois bem, acompanhei o drama semanalmente e trago hoje no post tanto o que mais amei nele, como o que menos gostei. 
Título: 태양의 후예 / Taeyangui Huye / Descendants Of The Sun
Gênero: Romance, Melodrama, Comedia
Total de episódios: 16 + 3 especiais
Emissora: KBS2
Período de Transmissão: 24 de fevereiro à 22 de abrilde 2016
Produção: Bae Kyung Soo, Ham Young Hoon, Yoo Jong Sun, Park Woo Ram 
Direção: Lee Eung Bok, Baek Sang Hoon
Roteiro: Kim Eun Sook e Kim Won Suk

O que não gostei tanto:

- Falta de adrenalina e tensão
O problema de criar muita expectativa por algo é que em 90% dos casos acabo decepcionada. Até tento não criar em relação a dramas, mas às vezes simplesmente não consigo. E com Descendants Of The Sun foi impossível não ficar ansiosa e crer que seria o drama coreano pelo qual clamava há anos. Pelos trailers parecia ser o tipo que eu mais surto – uma mescla perfeita de ação, thriller, aventura, drama, romance e comédia. Não sei exatamente o porquê, mas os vídeos de divulgação me lembraram de The King 2 Hearts. E OMG, vocês sabem o quanto AMEI e surtei loucuras com esse drama, pessoal do twitter volta e meia me veem ficar nostálgica por ele.
Gosto demais de dramas que me envolvam a ponto de ficar tensa e aflita junto com os personagens durante a história. Eu sofro bastante, mas adoro esse gênero! E erroneamente acreditei que o foco de Descendants Of The Sun fosse ser ação, suspense, thriller. Mas acabou por ser uma comedia romântica. Não sei ate que ponto o erro foi meu em criar muita expectativa no sentido ou pela própria divulgação. Claro que a história tem seus momentos tensos e claro que fiquei aflita nas várias vezes que os protagonistas arriscam a vida, mas foi aquém do que imaginei. Há cenas muito bem feitas de ação, lutas, explosões e tudo mais, porém a minha impressão é que o roteiro não sabia segurar esses ganchos de adrenalina. Os momentos tensos passavam rápidos demais, os problemas mal surgiam e já eram resolvidos. O vilão que tinha tudo para ser O VILÃO, mal aparecia e quando o fez, não causou o impacto esperado. Inclusive, os episódios 11 e 12 podiam muito bem ser o encerramento o drama; foram praticamente os melhores no sentido de adrenalina e tensão.
Está até parecendo que estou reclamando porque o drama não teve muito sofrimento, e de certa forma, é exatamente isso. Para quem não está muito acostumado com esse gênero, talvez tenha ficado satisfeito com Descendants Of The Sun. Mas já vi tantos dramas, até mais simples, mas que me envolveram bem mais nesse sentido de ficar nervosa e aflita, com medo de mortes e tragédias – que fiquei exigente no sentido. E novamente, o problema maior foi eu ter criado muita expectativa em relação a ser um drama thriller.

sexta-feira, 8 de abril de 2016

I Wanna Be Sup’Tar (Thai-Drama)

Depois da sofrência de Remember, queria conferir algo mais leve e divertido, e decidi então ver um lakorn que há meses planejava. Descobri I Wanna Be Sup’Tar sem querer no Youtube ano passado e tive certeza que cairia de amores pelo drama, e não deu outra! 
Título: I Wanna Be Sup'Tar
Conhecido também como: Wannueng Jaa Pben Superstar, One Day I'll Be A Superstar
Gênero: Comédia Romântica
Emissora: GMMTV
Total de Episódios: 26
Período de transmissão: 03 de agosto à 27 de outubro de 2015


Motivos para amar I Wanna Be Sup’Tar

O drama é bem clichê e uma delícia de conferir, principalmente por unir temáticas que nunca cansam e ser uma junção praticamente perfeita de duas comédias românticas bem conhecidas. 
Full House porque o protagonista – Win Pakorn (Put Puttichai) compra a casa da mocinha - Wan Nueng (Gypso Ramita) -, mas depois de alguma insistência desta, ele a deixa morar na casa também. Win é um ator super famoso, outra semelhança com Full House e por conta de um escândalo sobre sua sexualidade ficou fora do país por cinco anos. E é aí que entra Personal Taste: a mocinha crê que Win é gay e, portanto não vê problemas em morar com o rapaz.

Imaginem então a quantidade de cenas clichês entre o casal? O roteiro de I Wanna Be Sup’Tar pode não ser o melhor do mundo, mas bato palmas pela maneira como souberam unir tão bem temas já batidos de uma maneira tão gostosa de assistir assim.

sábado, 2 de abril de 2016

Remember – War of the Son (K-Drama)

Vocês sabem que é difícil eu assistir um melodrama e mais raro ainda eu amar 100% algum. Remember está nessa minoria e apesar de toda sofrência que foi acompanhar essa história, valeu a pena cada minuto. E trago hoje então minha resenha sobre o drama da SBS que marcou a volta do talentoso Seung Ho às telinhas e garantiu o primeiro lugar na audiência para a emissora. 

Título: 리멤버 - 아들의 전쟁 / Rimembeo – Adeului Jeonjaeng
Conhecido também como: Remember, Remember – War of the Son
Gênero: Melodrama, Thriller 
Total de Episódios: 20
Emissora: SBS
Período de transmissão: 09 de dezembro de 2015 à 18 de fevereiro de 2016
Direção: Lee Chang Min
Roteiro: Yoon Hyun Ho (윤현호)


10 motivos que me fizeram amar Remember:

- O enredo instigante
Desde o primeiro episódio fica absolutamente claro o quanto Remember seria aquele tipo de melodrama gostoso de assistir. Digo isso no sentido de que não sou muito fã de melodramas muito parados, que só há choros, lágrimas e sofrimento. Na maioria das vezes dramas assim ficam cansativos e acabo desistindo no meio do caminho. Apesar de Remember ter sim muito sofrimento, desencontros, injustiça e lágrimas, o roteiro bem construído desde o início garante a atenção do telespectador.
A história é sobre Jin Woo (Seung Ho), um garoto que tem a habilidade de lembrar-se de absolutamente tudo o que vê e ouve, e quando digo tudo, é realmente TUDO. Sua memória é super avançada! Em contrapartida, seu pai - Seo Jae Hyuk (Jun Kwang Ryul) sofre de Alzheimer. Jin Woo acaba tornando advogado e dedica sua vida para provar a inocência do pai que foi preso e condenado à morte injustamente por ter sido acusado de estupro e assassinato. Para isso, conta com a ajuda da amiga Lee In Ah (Park Min Young) que por sua vez torna-se promotora. 
No processo de provar a inocência, travam uma verdadeira guerra usando a lei para derrubar CEO’s e membros do judiciário corruptos.
Assim, é quase impossível assistir os primeiros episódios e não ficar curioso(a) pelo resto da história. Será que Jin Woo conseguirá salvar o pai? Será que vai rolar algum romance com a In Ah? O verdadeiro culpado pelo crime será preso? Como ficará a relação do Jin Woo com o advogado que lhe traiu no primeiro julgamento do pai? Essas e outras questões passavam pela minha cabeça já no começo da história, então preparei meus lenços e meu psicológico e encarei o melodrama.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Love Me, If You Dare (C-Drama)

E eis meu segundo drama chinês e sem dúvida, Love Me, If You Dare foi uma das melhores surpresas de 2015. Comecei sem grandes expectativas, e na verdade, por indicação de uma leitora do blog - Yasmine Castro (muito obrigada flor!) -, e logo no primeiro episódio já fui cativada pelo enredo, elenco e produção. Espero que gostem do post onde citarei alguns dos motivos que me fizeram amar Love Me, If You Dare. 
Título: 他来了,请闭眼 / Ta Lai Le, Qing Bi Yan/ Love Me If You Dare
Conhecido também como: Close Your Eyes, and Close To Me / He Is Here, Please Close Your Eyes
Gênero: Romance, Crime, Thriller
Total de episódios: 24
Emissora: Sohu Online, Dragon TV
Período de Transmissão: 15 de outubro de 2015 à 24 de janeiro de 2016
Obra Original: Ta Lai Le, Qing Bi Yan (他来了,请闭眼) de Ding Mo (丁墨)
Produção: Hou Hongliang (侯鸿亮)
Direção: Zhang Kai Zhou (张开宙)
Roteiro: Hai Yan (海宴)

- O enredo instigante
Quem acompanha o blog sabe que a blogueira aqui ADORA dramas que envolvam investigação policial, thriller e ação, e Love Me, If You Dare tem um enredo pra lá de instigante, cheio de mistérios e segredos que vão sendo desvendados e revelados ao longo dos episódios, de uma forma bem esmiuçada e estudada.
Jian Yao, ou Jenny (Ma Si Chun), é uma moça estudiosa e toda certinha que acaba conseguindo emprego como tradutora de Bo Jin Yan, ou Simon (Wallace Huo). Ele por sua vez, é todo misterioso e exigente. Já trabalhou com o FBI nos EUA e é considerado uma autoridade na questão de traçar perfis de criminosos perigosos, como serial killers, por exemplo. Jenny aos poucos então vai conhecendo mais seu inteligente patrão e provando que leva jeito para a coisa também. Afinal, apesar de sido contratada para ser tradutora, acaba tornando-se uma parceira para Simon nas investigações dos crimes em que é chamado para auxiliar a polícia.
Desde o começo, fica um mistério no ar envolvendo o passado de Simon. Nos EUA, envolveu-se num grande caso onde prendeu um famoso serial killer, mas ao que parece, a situação ainda o assombra e durante alguns episódios temos poucas informações acerca da questão. Só depois de alguns desdobramentos, o enredo começa mesmo a desenvolver o tal mistério, novas descobertas e ameaças surgem na história. Assim, o drama consegue com maestria prender a atenção do telespectador até o fim.

sexta-feira, 11 de março de 2016

Cheese In The Trap (K-Drama)

2016 está voando pessoas, mal começou e o primeiro drama do ano que acompanhei já foi finalizado semana passada. Cheese In The Trap é mais um sucesso da tvN, um drama diferente, instigante e que na reta final, principalmente, gerou controvérsias envolvendo atores, produção e telespectadores. E estou aqui hoje para tentar colocar em palavras tudo o que penso sobre a história, os personagens e o tão “polêmico” final! Para isso, separei metade do post para comentários gerais e sem muito detalhamento e spoilers, e a parte final me aprofundo um pouco mais ok?! Espero que gostem!
 Título: 치즈 인 더 트랩 / Chijeu In Deo Teuraep/ Cheese In The Trap
Gênero: Melodrama, Romance, Comedia
Total de Episódios: 16
Emissora: tvN
Período de Transmissão: 04 de janeiro à 01 de março de 2016
Direção: Lee Yoon Jung
Obra Original de: Soonkki (순끼)
Roteiro Adaptado: Kim Nam Hee (김남희)

O que me fez AMAR Cheese In The Trap:

- Personalidade instigante do protagonista
Não há como negar que o grande trunfo e diferencial de Cheese In The Trap é justamente a personalidade “estranha” e instigante do protagonista. Hong Seol (Kim Go Eun) é uma estudante universitária que batalha para ir bem nas provas e trabalhos enquanto concilia seu tempo com estágios/trabalhos de meio período. Após tirar um tempo da faculdade, ela volta ao ambiente universitário e precisa aprender a conviver com seus "algozes". Entre eles, Yoo Jung (Park Hae Jin), um dos alunos mais inteligentes e populares. Hong Seol foi a única na faculdade capaz de ver a verdadeira faceta de Yoo Jung, que no fundo é diferente do que faz questão de aparentar a todos a volta. Com uma personalidade um tanto quanto controladora e sombria, Yoo Jung manipula situações e pessoas, e só Hong Seol foi capaz de ver seu lado “cínico”.
Incomodado por ser descoberto, Yoo Jung então começa a ter uma série de comportamentos e atitudes estranhas em relação à Hong Seol. Mas só ela percebe isso, para todos à volta, tudo está normal. O interessante é que essas atenções dele para com ela só aumentam, e quando menos esperamos já está propondo namoro!
Além da dúvida se ele de fato estava gostando da Hong Seol, ou só aprontando alguma situação/vingança, vários personagens vão surgindo na história alegando que Yoo Jung “não é flor que se cheire”. Alertando a Hong Seol para manter-se afastada dele e tudo mais! É então quase impossível ao telespectador e a própria Hong Seol não desconfiar das intenções do Yoo Jung. Fora a questão do passado dele com os irmãos Baek (logo mais comento!) que não lhe deixa com uma imagem favorável.
Porém, por mais que eu ficasse com uma pulga atrás da orelha, no fundo, sempre acreditei nos sentimentos do Yoo Jung pela Hong Seol. Sentia-me até meio idiota por acreditar numa criatura tão suspeita assim como ele de cara, mas fazer o quê?! Quando estava com a Hong Seol era tão convincente, e logo fiquei com a impressão que mais do que qualquer coisa, sua personalidade era mal compreendida pelos demais.

sábado, 5 de março de 2016

Reply 1988 (K-Drama)

É com sentimentos ainda confusos que trago hoje, enfim - depois de MUITO protelar, a resenha de Reply 1988 – um dos dramas mais comentados dos últimos tempos, não só na Coreia como em todo o mundo pelos dorameiros de plantão. Nunca antes AMEI e ao mesmo tempo, odiei um drama dessa maneira! De qualquer forma, vou tentar ser o mais sincera possível no post e já aviso que é recheado de spoilers. Peço perdão a quem ainda não viu, mas desta vez, infelizmente a blogueira não consegue se segurar.
Título: 응답하라 1988 / Eungdabhara 1988/ Reply 1988
Conhecido também como: Answer to 1988 / Answer Me 1988
Gênero: Juventude, Romance, comedia, Família
Total de Episódios: 20
Emissora: tvN
Período de Transmissão: 06 de novembro de 2015 a 16 de janeiro de 2016
Roteiro: Lee Woo Jung (이우정)
Direção: Shin Won Ho (신원호)


Comentarei sobre o que mais me chamou a atenção e me fez cair de amores instantaneamente por Reply 1988 e lógico que depois sobre a polêmica do triângulo amoroso:

- O primeiro episódio
Dificilmente sou cativada completamente por um drama logo no primeiro episódio, mas desta vez, não estava nem na metade do primeiro e já tinha certeza que iria curtir e amar muito Reply 1988.  Posso dizer que a cena dos vizinhos entrando sem rodeios nas casas um dos outros, e compartilhando pratos de comidas e afins, me ganhou totalmente. As mães gritando chamando os filhos para comer...
As cenas me fizeram lembrar da época da minha infância quando morava em uma cidade pequena e as pessoas eram então mais recíprocas – digamos assim? -, os vizinhos mais companheiros e unidos, e a vida bem mais simples. Os dramas da série Reply sempre trazem esse sentimento de nostalgia e de cotidiano, e Reply 1988 definiu muito bem qual seria o foco da trama e da temporada nessas primeiras cenas. Desta vez, a história focaria mais nas relações familiares, de amizade e de vizinhos, dando destaque não só para os jovens, como também para os mais velhos.

- A época
Está certo que eu ainda estava para nascer na época que a história começa, mas sempre tive curiosidade para saber como seria ser jovem naqueles tempos. É quase a mesma época que meus pais eram jovens, que estavam se conhecendo e casando, e eu nascendo. Apesar de se passar na Coreia, e a cultura ser diferente, muita coisa é semelhante e lembrei-me de algumas histórias que ouço em reuniões de família onde meus tios e pais contam dos tempos deles de juventude. E muitas situações, manias, brinquedos, músicas me lembraram da minha própria infância.


 - O quinteto 
O drama começa nos apresentando os cinco amigos e OMG, como não amar cada um deles desde o início?! Fiquei apaixonada pela união dos cinco! A química entre os atores é maravilhosa! Os flashbacks mostrando eles juntos desde pequenos eram tão meigos e fofos! As reuniões na casa do Taek pra ver televisão, filme, comer, jogar, brincar, brigar, discutir ou simplesmente pra se verem eram sempre cenas cativantes, e me faziam ter vontade de fazer parte desse quinteto, ou ter tido, amigos assim de infância. As idas e vindas deles da escola, os estudos à noite, as saídas para o cinema ou almoçar/jantar. E enfim, amei cada um dos personagens e mais do que isso, amava de muitão ver o quinteto reunido. Comentarei agora sobre cada um:

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Ho Goo's Love (K-Drama)

Uma resenha que foi muito, mas muito pedida por vocês durante o ano passado foi Ho Goo's Love - que é mais um drama diferente e cativante da inovadora tvN. Espero que gostem do post onde apontarei alguns motivos que em minha opinião fizeram de Ho Goo's Love um dos dramas mais queridos de 2015 pelos dorameiros de plantão:
Título: 호구의 사랑 / Hogooeui Sarang/ Ho Goo's Love
Conhecido também como: Fool's Love / Fool for You
Gênero: Romance, Comedia
Total de Episódios: 16
Emissora: tvN
Período de Transmissão: 09 de fevereiro à 31 de março de 2015
Direção: Pyo Min Soo
Roteiro Original: Webtoon Ho Goo's Love (호구의 사랑) de Yoo Hyun Sook (유현숙)
Roteiro Adaptado: Yoon Nan Joong (윤난중)

- História simples e original ao mesmo tempo
O drama conta a história de Ho Goo (Choi Woo Shik), um moço um tanto quanto ingênuo e tímido que depois de anos reencontra Do Do Hee (UEE) - seu amor platônico desde a época de escola. Ela é agora uma nadadora famosa conhecida em todo o país, enquanto ele e mais dois amigos desenvolvem webtoons. Do Hee continua sendo uma moça fechada e misteriosa, e até um tanto quanto triste e melancólica. Não demoramos a descobrir assim como o Ho Goo, qual o grande problema dela: uma gravidez. E é aí que tudo começa a ficar melhor e divertido!
Não é sempre que temos oportunidade de ver o tema gravidez ser abordado em dramas, ainda mais quando a mãe em questão é solteira. Um tema ainda tabu na Coreia pelo visto. O roteiro desenvolveu o tema muito bem, de uma maneira bem cativante, fofa e engraçada. Fora que o mistério de quem era o pai da criança paira por boa parte do drama.